Ciclos de Diálogos sobre Educação do Campo encerra encontros de formação

O projeto “Ciclos de Diálogos Interinstitucionais sobre Educação do Campo” realizou hoje (08), o encerramento dos encontros de formação. O projeto de extensão do Departamento de Educação (DEDC), Campus VII da UNEB realizou sete encontros de formação voltados a professores e gestores dos municípios que integram os Territórios Piemonte Norte do Itapicuru, Sisal, Piemonte da … Leia Mais


Alunos da rede estadual participam de semana de revisão para o Enem

A Secretaria da Educação do Estado iniciou, nesta segunda-feira (7), o último ciclo de revisão do ano do projeto Aulão Enem 100%, que prepara os alunos da rede estadual para as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), marcadas para 3 e 10 de novembro. As aulas seguem até sexta-feira (11) e devem reunir … Leia Mais


UNEB realiza último seminário do projeto “Ciclos de Diálogos Interinstitucionais sobre Educação do Campo” nesta terça-feira (08)

Palestras, participação de gestores municipais, avaliação dos municípios, exposição do percurso formativo do projeto Ciclos de Diálogos e apresentação de cena teatral farão parte do Seminário de encerramento do projeto de extensão “Ciclos de Diálogos Interinstitucionais sobre Educação do Campo” do Departamento de Educação (DEDC), Campus VII da UNEB. O Seminário acontecerá nesta terça-feira (08), … Leia Mais



Mestrado em Biodiversidade Vegetal da UNEB abrirá inscrições a partir desta segunda-feira (07)

O Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Vegetal (PPGBVeg) da UNEB abrirá inscrições para seleção de aluno regular a partir desta segunda-feira (07). As inscrições serão realizadas mediante preenchimento de formulário eletrônico e envio de documentação exigida no edital até o dia 6 de novembro. Serão ofertadas 17 vagas na área de concentração em Biodiversidade Vegetal, … Leia Mais


Projeto de estudantes da Escola Municipal do Alto do Papagaio em Filadélfia é selecionado para a VII Feira de Ciências e Tecnologia


Alunas da Escola Municipal José Ferreira Lima localizada no Povoado Alto do Papagaio, tiveram projeto selecionado para apresentar na VII Feira de Ciências e Tecnologia de Senhor do Bonfim e do Território do Piemonte Norte do Itapicuru (FECITEC) sediada pelo Instituto Federal Baiano campus Senhor do Bonfim.

Com o tema Aquaponia-Sistema de produção e desenvolvimento sustentável na agricultura familiar, as alunas do 5º ano, Ana Isabel, Lara Vitória, Vanessa Sena e Renata Pio sob a orientação da professora Tânia Maria Matos, terão a oportunidade de vivenciar experiências que as  permitam compreender a concepção de ciência e tecnologia e de como é possível aplicá-las em seu dia a dia através da investigação e reflexão sobre sua realidade local.

Ao todo foram selecionados 60 trabalhos de estudantes do ensino fundamental, médio, técnico, EJA e outras modalidades da educação básica que serão apresentados e premiados (1º,2º 3º lugar) no dia 04 de outubro de 2019, próxima sexta-feira, na Instituição de Ensino IF Baiano.

O projeto da Escola Municipal José Ferreira Lima está entre os 09 selecionados na categoria Ensino Fundamental concorrendo assim as premiações na respectiva categoria.

A Prefeitura de Filadélfia, por meio da Secretaria de Educação – Semed, está incentivando e dando total apoio para as estudantes da Rede Municipal.

FONTE: ASCOM – Prefeitura Municipal de Filadélfia – BA

IF BAIANO LANÇA EDITAL PARA CURSOS TÉCNICOS COM 220 VAGAS PARA SENHOR DO BONFIM


Este ano, o processo de ingresso terá como método de classificação o Exame de Conhecimentos.
De 23 de setembro a 3 de novembro de 2019, estarão abertas inscrições do processo de ingresso de estudantes em cursos técnicos de nível médio do Instituto Federal Baiano (IF Baiano), instituição presente em 15 cidades no estado. No Campus Senhor do Bonfim, estão disponíveis cursos, da forma integrada, em Agropecuária (120 vagas) e, da forma subsequente, em Alimentos (60 vagas) e Informática (40 vagas).

Os cursos técnicos na forma Integrada ao Ensino Médio são destinados a candidatos que concluíram, ou estão concluindo, o Ensino Fundamental ou equivalente. Neste caso, o estudante faz o ensino médio junto com o profissionalizante dentro do IF Baiano. Já os cursos técnicos na forma Subsequente são para quem já concluiu, ou está perto de concluir, o Ensino Médio.

Como fazer a inscrição

Para se inscrever, os interessados devem acessar ingresso.ifbaiano.edu.br e preencher o cadastro on-line. Antes, é recomendado que o candidato leia o Edital 108/2019 (para cursos da forma Integrada) e Edital 109/2019 (para cursos da forma Subsequente), onde estão disponíveis todas as informações do Processo de Ingresso.

Ao preencher o cadastro, o candidato poderá optar por até duas opções de curso, indicando a ordem de preferência, e escolher campus, semestre de oferta e turno para cada uma das opções.
A taxa de inscrição é no valor de valor de R$ 30,00 (trinta reais) e deverá ser paga através de boleto gerado pelo sistema. Candidatos com cadastro no CadÚnico poderão solicitar dispensa do pagamento da taxa, no período entre 23 de setembro a 4 de outubro de 2019, indicando, no momento da inscrição, a opção pela isenção e informando o Número de Identificação Social (NIS).

Como funciona o sistema de reserva de vagas

Para os cursos da forma Integrada, 70% das vagas são reservadas a estudantes oriundos de escolas públicas, 25% para ampla concorrência e 5% para pessoa com deficiência. Para os cursos da forma Subsequente, reserva de vagas é 50% para estudantes oriundos de escola pública, 45% ampla concorrência e 5% para pessoa com deficiência.

Exame de conhecimentos

Este ano, o processo de ingresso terá como método de classificação o Exame de Conhecimentos. As provas serão aplicadas no dia 1º de dezembro de 2019, no turno vespertino, nas cidades Alagoinhas, Bom Jesus da Lapa, Catu, Governador Mangabeira, Guanambi, Itaberaba, Itapetinga, Santa Inês, Senhor do Bonfim, Serrinha, Teixeira de Freitas, Uruçuca, Valença e Xique-Xique
No momento da inscrição, o candidato poderá indicar em qual cidade gostaria de realizar o exame. Mas, a distribuição dos locais de prova será divulgada após o período de inscrições, sendo responsabilidade do candidato acompanhar a página do processo seletivo (ingresso.ifbaiano.edu.br) para verificar a informação.

Os exames serão compostos por 40 questões objetivas das áreas de Língua Portuguesa, Matemática, Ciências humanas e suas tecnologias e Ciências da natureza e suas tecnologias. O conteúdo programático, bem como outras informações sobre a prova, estão disponíveis nos editais.

Acompanhe o processo de ingresso na página ingresso.ifbaiano.edu.br. Dúvidas podem ser encaminhadas para o e-mail da Fundação CEFETMINAS: [email protected]

ASCOM – IF BONFIM

Com 2.838 vagas, terceiro edital do Partiu Estágio inscreve até sexta-feira


Um universitário com experiência profissional na área de graduação tem mais chances de ingressar no mercado de trabalho após a formatura. Tendo em vista esse cenário, o Governo do Estado criou o Partiu Estágio, que já está no terceiro edital. Quem quiser preencher uma das 2.838 vagas do programa tem até a próxima sexta-feira (4) para fazer o cadastro.
Desde que foi lançado, em 2017, o Partiu Estágio já contratou 10.032 estudantes. A Secretaria da Administração do Estado (Saeb) é o órgão responsável pelo processo de seleção e encaminhamento dos estagiários para os respectivos postos de trabalho. No terceiro edital, são 61 órgãos e entidades da administração pública estadual, instalados em Salvador e em 40 municípios do interior baiano, como explica o titular da pasta, Edelvino Góes.
“Esse número expressivo de vagas é resultado da centralização da contratação de estagiários para atuarem no Estado, de modo a assegurar um caráter uniforme à seleção. Realmente, um estágio no setor público traz uma experiência diferenciada, muito rica e que acrescenta à formação desses novos profissionais”, avalia o secretário. A inscrição deve ser feita por meio do site do programa (www.programaestagio.saeb.ba.gov.br).
Diferencial
A produtora cultural Roberta Oliveira foi estagiária na Secretaria de Comunicação Social do Estado (Secom) e atualmente, com pouco tempo de formada, já ocupa uma vaga no mercado de trabalho formal, em uma empresa da área de educação. “O local onde estagiei me possibilitou ter várias vivências, em diferentes ramos da comunicação. Eu pude desenvolver aptidões que influenciaram bastante para minha colocação no mercado”, assegura Roberta.
O jornalista Felipe Oliveira trabalha na mesma empresa que Roberta e também relaciona a conquista do tão sonhado emprego à experiência adquirida a partir do Partiu Estágio. “Atualmente, trabalho como redator, desenvolvendo uma das funções que também fiz durante o estágio. Esse programa é importantíssimo, pois muitas empresas solicitam que o recém-formado tenha experiência”, destaca.
Como se inscrever
As vagas são destinadas a universitários que tenham completado mais de 50% do curso, inclusive de Educação a Distância (EAD). Dentre as quase três mil vagas, 10% são destinados a portadores de deficiência. Quem for selecionado vai cumprir uma carga horária de quatro horas diárias, totalizando 20 horas semanais.
Terão prioridade no preenchimento das vagas universitários inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico), seguidos daqueles que tenham estudado todo o ensino médio em escola pública ou com bolsa integral na rede privada. Para sanar dúvidas ou obter informações adicionais, o candidato pode verificar o edital disponível no site do programa (www.programaestagio.saeb.ba.gov.br).

Fotos: Carol Garcia/GOVBA


Espetáculo teatral “Um grito à Gaia” será apresentado amanhã (27) no Centro de Artes da UNEB


O espetáculo teatral “Um grito à Gaia” revela através da poesia de Manoel de Barros, a relação do homem com a natureza, mostrando que o ser humano pode viver em harmonia com o meio que o gerou. O espetáculo será apresentado amanhã (27), às 19h30 no Centro de Artes Professor Marcos Fábio Oliveira Marques da UNEB localizado no Colégio Estadual Senhor do Bonfim (CESB).

“Um grito à Gaia” é o resultado de experimentos realizados ao longo da disciplina Elementos da Voz, ofertada aos alunos do 1º semestre do curso de Licenciatura em Teatro do Departamento de Educação (DEDC), Campus VII da UNEB. O espetáculo é um grito em forma de arte que os estudantes de teatro oferecem à sociedade, que assiste à destruição da natureza com perplexidade, a exemplo da intensificação das queimadas na floresta Amazônica.

O professor, Filipe Dias, ressaltou que o espetáculo é formado por imagens e memórias que desfilam em cena através das vozes dos artistas. “A encenação opta pela montagem de uma cena teatral contemporânea, com cenários moldados no decorrer do espetáculo, fazendo alusão às próprias construções humanas que, ao mesmo tempo em que transformam o meio, destroem a natureza”, frisou Dias.

O espetáculo conta com a direção do professor Filipe Dias, que assina a dramaturgia junto com o professor Michel Guimarães. A entrada é gratuita.

Lorena Simas
Coordenadora do Núcleo de Assessoria de Comunicação (NAC- DEDC/ UNEB)


Ofício de Professor: Um Duvidoso Prestígio!


Uma cruel e dura realidade é vivenciada em nossos tenebrosos dias pelos docentes das escolas públicas brasileiras, sobretudo em face da banalização profissional e da consequente perda de cidadania, uma vez que a ideologia da espetacularização, vigente em nossa sociedade, na qual as imagens valem mais que as palavras, não apenas transforma os professores em indivíduos alienados e passivos, bem como, manifesta em toda a sua evidência o empobrecimento do intelecto, a sujeição a governos autoritários ou aos tecnocratas educacionais e, por fim, a negação da própria vida real.
Nesse obscuro cenário, observamos que a escola pública, antes um espaço de ideias plurais, tornou-se esvaziada emocionalmente devido ao excesso de informações, de solicitações e de estímulos, pedagogicamente, impostos aos “prestigiados” professores que os devem cumprir com o máximo rigor possível em nome de uma opressiva onda de inovações educacionais que lhes furta a autonomia e a liberdade de ensino, restringindo ao máximo a ação do docente, a serviço da velha, mas sempre útil, política social do pão e circo.

O maior constrangimento, no entanto, que hoje afeta os cabisbaixos docentes pelo Brasil afora, vai muito além das habilidades pedagógicas exigidas a fim de atender a alunos infantilizados que julgam a vida escolar absolutamente enfadonha. Também as famílias daqueles alunos oriundos das camadas mais miseráveis da sociedade, incapaz de promover a educação dos filhos, atribuem essa obrigação aos professores, cabendo, desse modo, a eles inculcar nos estudantes alguns valores e princípios que, de fato, competem ao estamento familiar como por exemplo: o desenvolvimento rigoroso do respeito, do senso de responsabilidade e da autonomia.

Diante dessa quase impossível missão, principalmente em um obscuro momento histórico marcado pelos desejos egoístas e pela preocupação cada vez menor com o bem estar do próximo, os profissionais do magistério passam a vítimas de indistintos alunos que, sem diálogo em seus lares, descarregam as frustrações existenciais desrespeitando ou, eventualmente, agredindo seus professores na sala de aula sem que nenhuma medida seja eficazmente tomada, objetivando a implantação do respeito a todos que exercem o cruciante ofício de ensinar; expondo-os, assim, ao iminente risco de doenças como o esgotamento físico, a tristeza, a síndrome do pânico e a depressão, dentre outros males causados por bullyng, perseguições ou assédios morais, praticados, inclusive, por alguns colegas ou por “superiores” hierárquicos da esfera educacional.

Inseridos nesse nocivo e indigno contexto social, os profissionais da área docente, embora não tenham nenhum poder para modificar ou, sequer, para criticar as ações e os planos previamente definidos pela secretaria da educação e repassados à escola para serem imediatamente cumpridos, são apontados como responsáveis diretos pela baixa aprendizagem dos estudantes no ensino básico e, ainda, implicitamente tachados, pela infraestrutura politico-educacional como “despreparados” ou, no mínimo, com formação acadêmica ineficiente para o “fordista” paradigma de ensino a ser adotado como redentor do quase falido sistema de ensino público brasileiro.

Assim, em virtude desse tendencioso diagnóstico, nossos submissos professores passam, em última análise, a sofrer um austero controle de suas práticas pedagógicas que perdem, então, seu caráter subjetivo e sua criatividade; enquanto os próprios educadores, na condição de pessoa humana, acabam perdendo seu “eu” e a sua auto referência por conta do excesso de atenção a um hierárquico cronograma que os torna, enfim, um superficial e frívolo conjunto, absolutamente desprovido da auto reflexão e do poder de pensamento crítico e, ao mesmo tempo, dependentes indiferenciados do espetáculo imagético que não somente serve para comprovar o trabalho desses docentes, mas, também, o seu “real” cumprimento.
Por Valter Silva. Graduado em Pedagogia e Letras pela Uneb.

Filadélfia Bahia, Setembro de 2019.

 

Veja o vídeo:

https://www.facebook.com/valmir.dantas.14/videos/2493339760753560/?t=788

 


Seminário Interdisciplinar da UNEB abordará sobre pesquisa, prática pedagógica e educação nesta terça-feira (24)


O Seminário Interdisciplinar de Pesquisa (SIP) do Colegiado de Pedagogia do Departamento de Educação (DEDC), Campus VII da UNEB realizará nesta terça-feira (24) os seminários “Pesquisa e prática pedagógica no Semiárido: desafios e perspectivas” às 14h e “Pesquisa e Educação: narrativas autobiográficas na formação docente” às 19h. Os seminários são abertos à comunidade e acontecerão no auditório do DEDC VII da UNEB.
Em “Pesquisa e prática pedagógica no Semiárido”, os estudantes de Pedagogia exibirão os resultados dos artigos produzidos ao longo do semestre, com a exposição de banners e mesa redonda que abordará sobre a importância da pesquisa a partir da prática educativa no Seminário baiano. Já no seminário “Pesquisa e Educação” os discentes apresentarão suas narrativas durante a formação docente.
Lorena Simas

Coordenadora do Núcleo de Assessoria de Comunicação (DEDC- NAC/ UNEB)


UNEB discutirá sobre estágio em Educação Infantil nesta segunda-feira (23)


“As vivências do estágio em Educação Infantil: o mundo mágico do se (re) construir pedagogo/a”, essa é a temática do Seminário Interdisciplinar de Pesquisa (SIP) do Colegiado de Pedagogia do Departamento de Educação (DEDC), Campus VII da UNEB. O Seminário acontecerá no dia 23 de setembro, às 19h30 no auditório do DEDC VII.

A discussão sobre a trajetória do estágio é organizada pelos estudantes do 6º semestre de Pedagogia e contará com mesa redonda, recitação de cordel, apresentação de músicas infantis trabalhadas ao longo do estágio, exibição de vídeo e exposição do material produzido ao longo do estágio.

O professor de estágio, Peu Rios, destacou que o SIP é um momento de troca de experiência acerca da prática pedagógica e socialização das pesquisas desenvolvidas no curso de Pedagogia. “Também é uma oportunidade de dar uma devolutiva à comunidade, pois os estágios foram realizados dentro das escolas de todos os municípios do Território de Identidade Piemonte Norte do Itapicuru (TIPNI) e também no município de Itiúba, no Território do Sisal”.

O Seminário é gratuito e aberto à comunidade. Haverá emissão de certificado para os participantes que não são estudantes do DEDC VII.

Lorena Simas
Coordenadora do Núcleo de Assessoria de Comunicação (NAC-DEDC/ UNEB)


Com 10 mil monitores, Mais Estudo inicia sessões de reforço escolar


As monitorias do Mais Estudo (+ Estudo) começaram nesta segunda-feira (16), com o objetivo de fortalecer o processo de ensino e aprendizagem nas escolas da rede estadual. Executado pela Secretaria da Educação do Estado, o programa selecionou 10 mil estudantes com bom desempenho em Língua Portuguesa e Matemática. Eles irão ganhar uma bolsa de R$ 200 pelos próximos três meses para ajudar os colegas com notas abaixo da média nessas disciplinas.
De acordo com a superintendente de Políticas para a Educação Básica, Manuelita Brito, o Mais Estudo foi desenhado para apoiar os estudantes que estão precisando de ajuda nessa reta final do ano. “Foi um movimento muito bem-sucedido, no qual toda a rede se engajou e todas as escolas que estavam habilitadas a fazer a adesão de monitores fizeram. Foram mais de 10 mil inscritos, inclusive. Por meio do debate entre pares, estamos estimulando estudantes com melhores resultados a auxiliarem os colegas que precisam do reforço”, explica.
Uma das escolas a iniciar as monitorias foi o Colégio Estadual Aliomar Baleeiro, no bairro de Pernambués, em Salvador. Foram 21 estudantes selecionados como monitores. Entre eles, Jaíne Elen, aluna do 2º ano do ensino médio, vai ajudar os colegas com dificuldade em Língua Portuguesa. “Fico feliz de poder repassar todo o conhecimento que acumulei em sala de aula para meus amigos. Essa bolsa é um grande incentivo e vai ajudar muito no dia a dia”, garante.
Também cursando o 2º ano na unidade escolar, Kailane Francisca vai transmitir o que sabe de matemática durante as monitorias. “Como não é uma aula convencional, eu posso ajudar meus colegas de uma maneira diferente e me ajudar ao mesmo tempo”.
O Colégio Aliomar Baleeiro também já indicou quais professores atuarão como supervisores. “A monitoria não é aleatória. Por isso há um acompanhamento dos professores. Este projeto eleva a autoestima dos jovens, já que reconhece o bom desempenho deles e desperta, nos que não estão tão bem assim, a vontade de melhorar e poder fazer parte do grupo com média acima de 8”, afirma a diretora, Andréia Passos.
As sessões de reforço escolar ocorrem no contraturno das aulas regulares e contam com carga horária de seis horas semanais. Os monitores dedicam outras duas horas, semanalmente, para se prepararem, recebendo orientação pedagógica. Esta primeira fase do Mais Estudo será realizada durante todo o trimestre final de 2019.
Fotos: Camila Souza/GOVBA

Estudantes podem se inscrever no programa Mais Estudo até sexta-feira


Seguem abertas no Portal da Educação, até a próxima sexta-feira (13), as inscrições para adesão ao programa Mais Estudo. Executada pela Secretaria da Educação do Estado, a iniciativa vai possibilitar que cerca de 10 mil alunos da rede estadual de ensino com bom desempenho em Língua Portuguesa e Matemática recebam uma bolsa de R$200 para oferecer reforço escolar aos colegas que estão abaixo da média nas disciplinas.

O Mais Estudo visa, além de fortalecer o processo de aprendizagem, despertar nos estudantes o interesse pela docência e contribuir com práticas inovadoras de ensino, destaca a diretora de Acompanhamento Pedagógico e Planejamento da Política Continuada da Secretaria da Educação, Cristina Santana. “O projeto tem abrangência em todos os 27 Núcleos Territoriais de Educação e a expectativa é envolver, de fato, 10 mil estudantes com bom desempenho nas disciplinas. Alguns deles já desenvolvem a atividade de monitoria e agora vão receber um incentivo para que possam participar de modo mais engajado”, conta.

Metodologia

Para participar, os gestores escolares devem identificar o número de vagas disponíveis na escola, informar dados gerais sobre os professores que atuarão como supervisores e quais estudantes foram selecionados como monitores. Para ganhar o auxílio, os alunos do 9º ano do Ensino Fundamental e de todas as séries do Ensino Médio devem ter média escolar igual ou superior a 8,0 nas disciplinas. O programa envolve uma carga horária semanal de oito horas, sendo duas dedicadas à preparação com uma orientação pedagógica e seis em sala de aula, no contra turno das aulas regulares, com os alunos monitorados.

Uma das escolas que já fizeram a seleção e adesão dos monitores é o Colégio Estadual Rubén Darío, localizado na Avenida San Martin, em Salvador. Uma das estudantes escolhidas é Sabrina Tatiane, do 2º ano do Ensino Médio, que sempre registrou bom desempenho em Língua Portuguesa. “De forma pró-ativa, a gente pode conseguir outras pessoas pra se dedicarem mais aos estudos, utilizando uma linguagem que eles entendam com mais facilidade, por sermos da mesma faixa etária”, acredita a estudante.

Para o diretor da unidade escolar, o professor Antônio Pimenta, todo o sistema educacional do estado ganha com a iniciativa. “Os estudantes, com essa oportunidade, podem dar um passo à frente nos estudos e, ainda, ampliar a relação com os colegas e professores. Todos ganham”, afirmou.

O Mais Estudo foi lançado na última semana pelo governador Rui Costa e pelo secretário da Educação do Estado, Jerônimo Rodrigues, e deve iniciar as monitorias oficiais já a partir do próximo dia 16.

Fotos: Elói Corrêa/GOVBA

Hortas escolares reforçam desenvolvimento pedagógico na rede estadual


O manejo do solo e o plantio de mudas de hortaliças, frutas e flores vêm transformando a relação de estudantes com o espaço escolar. A partir do projeto ‘Hortas Escolares – plantar, cuidar e cuidar-se’, mais de 400 mil alunos da rede estadual passaram a ter contato com a terra nas próprias escolas. Uma delas é o Colégio Estadual Alaor Coutinho, em Mata de São João, na Região Metropolitana de Salvador (RMS).
“O Horta nas Escolas vem na perspectiva de atender ao Plano Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional, com o objetivo de promover uma alimentação mais saudável, tendo como ponto de partida o fazer pedagógico. As hortas são criadas e utilizadas pelos nossos estudantes e professores como laboratório vivo”, explica o coordenador estadual de Educação Ambiental e Saúde, Fábio Barbosa. Em 2019, a iniciativa recebe um investimento de R$ 300 mil do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Educação.
No Alaor Coutinho, 12 estudantes do ensino médio participam do projeto às terças-feiras. Eles plantam coentro, tomate, pimenta e alface, além de flores. Os alimentos colhidos são utilizados no preparo da merenda escolar. “Eles aprendem sobre a rotação de cultura e as técnicas de manejo e cultivo. Nós também fazemos um trabalho sobre os defensivos naturais, para não utilizar nenhuma parte química de contaminação do solo. Eles conseguem identificar quando há necessidade de adubação e também o período de colheita. É um trabalho muito enriquecedor”, conta a professora responsável pelo projeto, Patrícia Figueiredo.
Em períodos específicos, como a colheita, o número de participantes aumenta. A diretora do Alaor Coutinho, Maria do Socorro Aquino, destaca que a iniciativa “contribui para o aprendizado de conteúdos, mas também para o exercício da cidadania. Os estudantes passam a valorizar o trabalho que é feito com a terra. Eles compreendem a importância da alimentação mais saudável, de cuidar da escola e a entender a horta como um espaço que, além do aprendizado, revitaliza o convívio na escola”.
Para a estudante Ingrid Santos, 19 anos, do 3º ano, o projeto favorece a integração com os colegas. “A gente não se falava. Só andávamos no corredor, mas não sabíamos quem era quem. E, nesse tempo todo de horta, a gente consegue se dar bem, falar, plantar e colher”, afirma.
Também aluno do 3º ano, Carlos Eduardo Santana, 18, considera a experiência um incentivo para aumentar a qualidade de vida dos estudantes. Graças ao projeto, ele já entende, por exemplo, a diferença entre o alimento com agrotóxicos e o orgânico. “Dá para perceber a diferença no sabor, tamanho e coloração”.

Fotos: Alberto Coutinho/GOVBA