Bahia registra 1.624 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.624 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,3%) e 2.215 recuperados (+0,5%). Dos 483.737 casos confirmados desde o início da pandemia, 468.404 já são considerados recuperados, 6.322 encontram-se ativos e. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está … Leia Mais


Bahia registra 1.349 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.349 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,3%) e 2.190 recuperados (+0,5%). Dos 482.113 casos confirmados desde o início da pandemia, 466.189 já são considerados recuperados e 6.941 encontram-se ativos. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está … Leia Mais


Bahia registra 1.211 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.211 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,3%) e 2.299 recuperados (+0,5%). Dos 480.764 casos confirmados desde o início da pandemia, 463.999 já são considerados recuperados, 7.811 encontram-se ativos. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível … Leia Mais


Bahia registra 2.598 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

0 Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 2.598 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,5%) e 3.081 recuperados (+0,7%). Dos 479.553 casos confirmados desde o início da pandemia, 461.700 já são considerados recuperados, 8.929 encontram-se ativos. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está … Leia Mais


Mais de 80% da população deve ser vacinada para combater circulação do coronavírus, afirma infectologista


A médica infectologista Ceuci Nunes é diretora-geral do Instituto Couto Maia (Icom), um dos primeiros hospitais a receberem os pacientes de Covid-19 na Bahia. Nesta breve entrevista, ela responde perguntas e fala sobre a importância da vacina, especialmente diante do grande número de notícias falsas circulando nas redes sociais. Para ela, a vacina contra a Covid-19 surge rapidamente, impulsionada pela existência da pandemia, que uniu cientistas de todo o mundo na pesquisa em busca da cura, e também pelo estágio de desenvolvimento tecnológico que o planeta alcançou.
Para a infectologista, a rapidez na produção da vacina não coloca em cheque a segurança nem a eficácia do medicamento. Ceucí também destaca que, para que o vírus pare de circular, como foi a erradicação da varíola, é preciso que grande parte das pessoas seja imunizada – mais de 80% da população. “Não vamos ter medo da vacina, a gente precisa ter medo da doença que está matando milhões de pessoas no mundo. A vacina é a luz no fim do túnel. A gente precisa é pedir ao Ministério da Saúde, aos governantes, que consigam vacinas, as mais diversas, para todos os brasileiros”.
Pelo menos cinco vacinas diferentes foram desenvolvidas em prazo inferior a um ano. Essa velocidade causa algum tipo de insegurança em relação à vacina e sua eficácia?
À primeira vista, a gente acha que é um tempo pequeno demais. A vacina mais rápida que existiu foi a vacina da Caxumba, que foi desenvolvida em quatro anos. Mas o que a gente está vivendo é um novo momento da humanidade. É um momento em que tudo tem sido mais rápido. E a Covid-19, por ser uma pandemia, ela também precisou que essa velocidade fosse trazida para as vacinas, mas não ao custo da segurança e da eficácia, porque vários testes foram feitos com milhares de pessoas ao redor do mundo, de cada uma dessas vacinas que estão sendo colocadas e aprovadas pelas agências reguladoras. Isso é uma coisa muito boa porque as agências são muito rígidas na aprovação de vacinas.
A vacina funciona da mesma forma para todas as faixas etárias?
A gente não tem certeza disso ainda. As vacinas não foram testadas em crianças. Elas foram feitas para adultos, porque são as principais e as mais graves vítimas da Covid-19. Mas é muito possível que elas também funcionem bem em crianças. As vacinas que a gente tem até agora são reguladas. Elas são aprovadas para maiores de 18 anos.
Quem tem alergia pode tomar essas vacinas?
Quem tem alergia grave, chamada de anafilaxia e conhecida popularmente como choque anafilático, pode tomar a vacina, mas em locais apropriados para que sejam assistidas e tratadas, em caso de reação alérgica. Um exemplo são as unidades hospitalares que têm um pronto-atendimento.
No caso de quem apresentou reação alérgica, essa pessoa ainda está imunizada?
A reação alérgica não impede a imunização da pessoa. A reação alérgica tem que ser tratada na hora. O que foi visto até agora são as reações alérgicas acontecendo em alguns casos e sendo tratadas. Não foi registrada nenhuma morte por reação alérgica. E isso não impede nenhum efeito da vacina.
 
Todas as vacinas necessitam de ultrarrefrigeradores como os que estão sendo adquiridos pela Bahia?
A maioria das vacinas de Covid está sendo desenvolvida para ser armazenada na mesma temperatura das outras vacinas, que é de dois a oito graus centígrados. Duas dessas vacinas, as vacinas de RNA, precisam ser armazenadas em freezers de – 70º, -80º centígrados.
A Bahia tem preferência por alguma das vacinas que estão sendo desenvolvidas?
A Bahia tem já um acordo assinado com a Rússia, para a utilização da Sputnik. Mas qualquer vacina que o Ministério da Saúde vá adquirir será utilizada na população brasileira e nos baianos também.
Quais são as contraindicações das vacinas contra a Covid?
As contraindicações das vacinas são muito poucas. Por quê? Porque elas não são vacinas de organismos vivos, como a gente tem outras vacinas no Brasil, como a febre amarela, sarampo, que são contraindicadas em pessoas com imunodeficiência. As vacinas contra a Covid não, [pois] elas são de micro-organismos inativados ou partículas de micro-organismos. Então, as pessoas que têm alergia aos componentes da vacina é que vão precisar ter um maior cuidado para utilizá-la.
Recentemente, o Reino Unido identificou uma mutação do vírus. As vacinas desenvolvidas são eficazes mesmo com essa mutação?
Os dados preliminares mostram que, mesmo com essa nova cepa do coronavírus, as vacinas são eficazes e seguras. É claro que estudos ainda estão sendo implementados, mas tudo indica que não vai afetar a vacina.
Qual a importância da vacina para a imunização em massa, e não só do indivíduo? É importante que grande parte da sociedade seja imunizada?
Vacina não é uma questão individual. É uma questão de proteção individual, mas principalmente de proteção coletiva. Para que uma vacina seja eficaz, para que a vacina impeça mesmo um grande número de casos, é preciso que cerca de 80 a 85% da população esteja vacinada.
Qual a importância da vacina, ao longo da história, no controle das grandes pandemias?

As vacinas são importantíssimas no controle de doenças infecciosas, inclusive de pandemias. Por exemplo, a H1N1, que a gente conseguiu controlar. A H1N1 ainda existe entre nós, mas numa quantidade muito pequena de casos porque nós temos anualmente a vacina da gripe, que contém também a Influenza H1N1. Isso é super importante. Nós já conseguimos erradicar do mundo a varíola, erradicar da maior parte do mundo a poliomielite, eliminar de diversos lugares o sarampo, e alcançamos uma redução enorme da catapora. Então, a vacina é de uma importância imensa para a humanidade. Inclusive é um dos quatro fatores que implicaram na sobrevida da humanidade, que passou de 40 anos no início do século XX para quase 80 anos agora.

……………………………………………………………………………………….

Secom  – Secretaria de Comunicação Social – Governo da Bahia


Secretaria da Saúde irá adquirir 50 mil testes rápidos de antígeno para detecção do coronavírus


Mais rápido e com precisão similar ao teste molecular do tipo RT-PCR, que é o padrão ouro na detecção do coronavírus, o teste rápido de antígeno é uma das novidades que auxiliará a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) a realizar o diagnóstico e, caso necessário, a internação precoce. Os interessados em participar do pregão eletrônico nacional que ocorrerá no próximo dia 30, às 10 horas, devem acessar o edital nos sites www.comprasnet.ba.gov.br e www.licitacoes-e.com.br.
Recomendado pelo Ministério da Saúde, o teste oferece resultados em, aproximadamente, 30 minutos e é realizado através de swab nasal. Serão adquiridos 50 mil unidades. “O teste RT-PCR se mantém como padrão ouro para detecção da Covid-19, mas a testagem em maior escala e velocidade é essencial. Ele será utilizado nas UPAs e Unidades de Emergência para orientar se o paciente deve ser internado imediatamente, pois o teste tem uma especificidade alta, o que significa que se der positivo, o paciente está infectado pela Covid-19”, ressalta o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas.
É indicado que o teste seja realizado entre o terceiro e sétimo dia após o início dos sintomas, o que possibilita a detecção precoce e a interrupção da transmissão por meio de isolamento dos casos infecciosos e seus contatos próximos.

Para a diretora-geral do Laboratório Central de Saúde Pública Professor Gonçalo Moniz (Lacen-BA), Arabela Leal, a maior vantagem do teste rápido de antígenos é a detecção da doença em sua fase aguda, além da velocidade para obtenção do resultado. “O teste rápido de antígeno busca a presença do vírus naquela amostra coletada e não utiliza equipamentos mais complexos. Ele detecta a doença na fase aguda. Já o teste rápido de anticorpos é realizado com a coleta de uma gota de sangue e busca anticorpos que foram produzidos pelo paciente após ter contato com o vírus, geralmente, após 10 dias de infectado”, explica a diretora-geral, ao apontar que o teste não detecta os anticorpos adquiridos e sim a presença do vírus naquele momento.

……………………………………………………………………………………….

Secom  – Secretaria de Comunicação Social – Governo da Bahia


Situação da saúde de Senhor do Bonfim foi tema de debate entre os futuros gestores e os profissionais da área que atuam no município


Na manhã deste domingo (20), o prefeito eleito Laércio Júnior e o vice-prefeito Elizeu Rios estiveram reunidos com diversos profissionais da área de saúde que atuam no município, entre eles médicos, enfermeiros e assistentes sociais. O encontro teve como pauta principal a situação atual da saúde pública em Senhor do Bonfim e sugestões para requalificação de estruturas, de sistema de gestão e valorização do trabalho dos profissionais de saúde.

Laercio Junior abriu o encontro dizendo como seria a relação com esses profissionais. “A partir de janeiro não haverá mais essa historia de dificuldade de um médico, enfermeiro ou assistente social em dialogar com o prefeito. Gostaria muito de ouvir cada um de vocês e saber o porquê a saúde de Bonfim é motivo de tanta crítica. Eu e Elizeu iremos com frequência aos postos de saúde, hospital e UPA falar com os pacientes, ouvir a população para melhorar os atendimentos e serão vocês que me ajudarão nessa missão”, falou o futuro gestor.

Em seguida foi solicitado aos presentes que relatassem os principais problemas enfrentados por eles no dia-dia na prestação de serviços de saúde do município. Muitos relatos chamaram atenção pela forma isolada de gestão e pela precariedade da estrutura de saúde a disposição da população.

“Em Senhor do Bonfim temos excelentes profissionais, mas temos péssimas estruturas de saúde. Como já foi dito aqui no HDAM não é feita a manutenção de equipamentos como: central de ar-condicionado, de redes de oxigênio e ar comprimido. O carro de anestesia tem que ser ligado horas antes da cirurgia pra ele funcionar. Outro problema serio é a falta de integração entre os gestores do Hospital Regional, UPA, SAMU e UTI, ninguém se entende”, relatou um médico.

“O Hospital Regional parou no tempo. O instrumental cirúrgico utilizado por mim hoje, foi o mesmo que utilizei há 24 anos quando cheguei a Senhor do Bonfim. Varias cirurgias não acontecem por falta de material, medicamentos, insumos e pessoal de apoio. Os profissionais que trabalham no regional enfrentam uma sobrecarga desumana. Das quatro salas de cirurgia apenas duas funcionam. Pra se ter ideia do descaso, tem um foco cirúrgico na ante sala do centro cirúrgico há três anos encaixotado e sem uso”, desabafou outro profissional.

“Alguns profissionais que trabalham na UTI do Hospital Regional estão sem receber seus salários e plantões desde o mês de setembro”, pontuou outro médico.

“Nos falta força politica pra conseguir recursos para a saúde de Bonfim. Em Campo Formoso os deputados brigam pra ver quem traz mais recursos pra lá. Está se montando um tomógrafo no hospital municipal no valor de um milhão de reais. O problema é a UTI que infelizmente não funciona como deveria funcionar. Os profissionais que atuam lá deveria estar melhor treinados. A culpa não é deles e sim do estado que os colocou lá. Como é que se coloca um profissional na UTI que não sabe mexer em um respirador? Como você coloca um profissional na UTI que não sabe entubar um paciente? Isso precisa ser resolvido ”, questionou outro profissional.

“Eu não sei se o problema do Hospital Regional é falta de recursos ou falta de gestão ou os dois. Acabaram com a pediatria, a criança sai da UTI pediátrica e vai pra onde? vai pra casa? Não, teria que ir para a pediatria. Tem varias mulheres aguardando para fazer cirurgia de mioma, usando fralda devido a hemorragia que elas tem e não conseguem fazer a cirurgia. O hospital não tem sua própria gestão para aquisição de seus insumos. As compras hoje são feitas pela Secretaria de Saúde. A mesma licitação que fazem para comprar insumos pros PSF’s e UPA é a mesma pra emergência do hospital. Isso inviabiliza o trabalho a contento”, destacou outro profissional de medicina.

Em sua fala o vice-prefeito Elizeu Rios falou que espera contar com ajuda desses profissionais para reestruturar a saúde do município. “A nossa conversa hoje aqui é para pedir que vocês nos ajudem, ajudem Senhor do Bonfim. Tragam o problema, a crítica, mas também nos tragam sugestões para resolver o problema. Iremos ouvi-los, buscaremos recursos para dar condições de trabalho a vocês. Porque sabemos da qualidade de cada um e o trabalho de qualidade que podem prestar a população”, encerrou Elizeu Rios.

Entre os presentes estavam os médicos: Dr. Francisco Lustiago, Dr. Washington Sobreira, Dr. Juvenilcon Andrade, Dr. Otoniel Sandes, Dr. Silvio Matos, Dr. Amilton Soares, Dr. Bruno Guirra, Dr. Madson Oliveira, Dra. Geislane Alcântara Dra. Vanessa Lustiago, Dr. Maurício Cardoso, Dr. João Fernandes, Dr. Eurico Soares, Dr. Wilson Bahia, Dr. Damary Veiga, Dr. Ernani Junior e Dr. Danilo Queiroz, Dra. Deise Castro, Dr. Silvio Queiroz, Dra. Cláudia Mônica, Dr. Joede Alves, Dra. Vera Balduíno, Dr. Raelson Coelho, Dr. Ramon Araújo, Dr. Carlos Eduardo, Dr. Paulo Sérgio Nunes de Abreu, Dr. Gustavo Eduardo Teixeira, Dr. Luiz Cláudio, Dr. Jackson Rafael, Dr. Igor Farias, Dr. José Douglas e Dr. Marcos Carvalho, os enfermeiros: Cantídio Neto, Roberta Olímpio, Enf. Camila Coelho, Enf. Liz Bezerra, Sariza Carneiro, Iana Laís, Isabela Amorim, Rosane Belém, Alexandra Carvalho de Araújo, Andreia Conceição, Ceciliana Negreiros, Tatiane Pina, as assistentes sociais – Andrea Andrade e Josiene Silva, a bióloga Renata Mercês e o vereador eleito Helson de Carvalho e o ex-vereador Laércio Muniz.(clebervieranews)


Filadélfia: Município detectou 14 novos casos de Covid-19- Boletim do dia 15de dezembro


Em seu Boletim Epidemiológico divulgado na Internet o município de Filadélfia atualizou  os dados com casos de Covid-19 na cidade. Os números voltaram a subir novamente. O número de infectados agora é de 746 casos confirmados com diagnostico de coronavirus, sendo que 393 foram detectados através do PCR e 353 através de testes rápidos. Na cidade já temos 711 pessoas que estão recuperadas e 18 estão em recuperação e 35 pessoas estão aguardando resultados dos exames. Já são contabilizados 17 óbitos no município.



Bahia registra 4.114 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas


Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 4.114 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,9%) e 4.139 recuperados (+1,0%). Dos 451.240 casos confirmados desde o início da pandemia, 431.273 já são considerados recuperados, 11.302 encontram-se ativos. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível em https://bi.saude.ba.gov.br/transparencia/.

Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da Covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (23,26). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram Ibirataia (9.939,92), Jucuruçu (7.736,14), Muniz Ferreira (7.599,03), Conceição do Coité (7.461,12), Aiquara (7.422,40).

boletim epidemiológico contabiliza ainda 845.274 casos descartados e 118.219 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta terça-feira (15/12).

Na Bahia, 34.536 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Óbitos
O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 30 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

O número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 8.665, representando uma letalidade de 1,92%. Dentre os óbitos, 56,51% ocorreram no sexo masculino e 43,49% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,76% corresponderam a parda, seguidos por branca com 18,42%, preta com 14,84%, amarela com 0,68%, indígena com 0,13% e não há informação em 11,17% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 71,55%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (73,52%).


Bahia registra 2.920 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas


Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 2.920 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,7%) e 3.019 recuperados (+0,7%). Dos 443.465 casos confirmados desde o início da pandemia, 422.467 já são considerados recuperados, 12.409 encontram-se ativos. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível em https://bi.saude.ba.gov.br/transparencia/.

Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da Covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (23,50%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram Ibirataia (9.730,93), Jucuruçu (7.549,86), Muniz Ferreira (7.329,56), Conceição do Coité (7.317,00), Aiquara (7.287,45).

boletim epidemiológico contabiliza ainda 837.660 casos descartados e 122.158 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas deste sábado (12/12).

Na Bahia, 34.150 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Óbitos

O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 28 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

O número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 8.589, representando uma letalidade de 1,94%. Dentre os óbitos, 56,44% ocorreram no sexo masculino e 43,56% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,73% corresponderam a parda, seguidos por branca com 18,37%, preta com 14,87%, amarela com 0,69%, indígena com 0,13% e não há informação em 11,21% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 71,58%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (73,57%).


Bahia registra 3.883 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas


Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 3.883 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,9%) e 3.327 recuperados (+0,8%). Dos 440.545 casos confirmados desde o início da pandemia, 419.448 já são considerados recuperados,12.536 encontram-se ativos. A base de dados completa dos casos suspeitos, descartados, confirmados e óbitos relacionados ao coronavírus está disponível em https://bi.saude.ba.gov.br/transparencia/.

Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da Covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (23,57%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram Ibirataia (9.724,40), Muniz Ferreira (7.275,67), Conceição do Coité (7.219,42), Aiquara (7.197,48), Jucuruçu (7.177,30).

boletim epidemiológico contabiliza ainda 834.849 casos descartados e 120.553 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta sexta-feira (11/12).

Na Bahia, 33.986 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Óbitos
O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 30 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

O número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 8.561, representando uma letalidade de 1,94%. Dentre os óbitos, 56,38% ocorreram no sexo masculino e 43,62% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,72% corresponderam a parda, seguidos por branca com 18,39%, preta com 14,85%, amarela com 0,69%, indígena com 0,13% e não há informação em 11,23% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 71,58%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (73,60%)


Itiúba: Covid 19 faz retornar o toque de recolher no município


A Prefeitura de Itiúba publicou na tarde desta quinta – feira, 10 de dezembro de 2020, novo decreto com medidas em combate ao Covid – 19, no município.
Entre elas estão: Uso obrigatório de Máscaras, o horário de funcionamento será até as 16:00 horas, com exceção de Mercados e Farmácias, os comércios que funcionam somente em período noturno, funcionarão até as 22:00 horas e o Toque de Recolher que volta a funcionar das 22:00 horas até as 05:00 horas, ficam suspensos também todos os eventos que gerem aglomeração.
DECRETO NA INTEGRA
Cidade em Notícias

Sr do Bonfim: Pacientes com hanseníase lidam com dores e falta de remédios


hanseníase, doença crônica que atinge a pele e os nervos periféricos e neurais, tem cura, desde que o paciente faça o tratamento correto, sem interrupções. E esta tem sido uma das dificuldades para pacientes em Senhor do Bonfim, pois os medicamentos estão em falta nos postos de saúde.

Um morador do Alto da Maravilha, relatou o drama de um parente que não consegue mais a medicação no posto de Saúde. Segundo informam, profissionais relatam que o medicamento não tem chegado com frequência nas unidades de saúde.

Sem a medicação e com o tratamento sendo interrompido, o sofrimento de quem sofre no município com a doença, aumenta a cada dia.

A prefeitura de Senhor do Bonfim, confirma que várias reclamações tem chegado cobrando a medicação, porém, sem previsão de chegada da medicação.

Fonte: Blog do Walterley