Justiça condena médica por causar sequelas em bebê durante parto domiciliar


A Justiça de Brasília condenou a médica obstetra
Caren Vanessa Cupertino, por lesão corporal grave e falsidade ideológica
durante a realização de um parto domiciliar que realizou em 2014. O bebê ficou
com sequelas neurológicas graves.
A pena imposta foi de 6 anos e 5 meses de prisão em
regime semiaberto. Ela ainda terá que pagar R$ 150 mil de indenização por danos
morais. A pena por falsidade ideológica é porque, segundo a acusação, ela usou
informações falsas no prontuário da criança. A decisão ainda cabe recurso.
A defesa da médica afirmou que “recebeu com
absoluta surpresa a notícia da condenação de sua cliente”. O advogado de
defesa Pedro Ivo Veloso informou ao G1 que a obstetra cumpriu todas as etapas do
protocolo corretamente e que vai recorrer da decisão.
A profissional de medicina também é ré em outros
processos. Em um deles ela é acusada de provocar a morte de um bebê, também em
2014. De acordo com a ação, a médica foi omissa e, por isso, contribuiu de
forma decisiva para o óbito da criança durante o parto na Maternidade Brasília,
no Sudoeste.(Radar da Bahia)