Pai mata o próprio filho engasgado por vingança contra a ex-mulher


Um crime chocou a
população de Piraquara, na Grande Curitiba, no último domingo (17). Um garoto
de 4 anos foi morto pelo próprio pai, que tirou a própria vida em seguida. Neri
da Rosa, 37 anos, não aceitava o fim da relação com a mãe de Davi Gabriel
Franco da Rosa. O menino foi esganado no quarto enquanto dormia. Antes de
cometer o crime e se matar, Neri deixou um bilhete indicando que o crime era
motivado por vingança contra sua ex, mãe do menino. 
A mãe de Davi usou
as redes sociais para lamentar a morte do garoto, afirmando que sua vida
“perdeu todo sentido”. “A minha vida perdeu todo sentido, você
está nos braços de Deus, meu anjo. Deus vai dar forças pra eu sobreviver sem
ouvir você me chamar de ‘mamãe minha lindona'”, escreveu em uma
publicação. 
Em outra publicação,
ela também lembrou do amor do filho pela música. “O que vou fazer sem meu
roqueirinho, marrentinho e cheio de argumentos pra ganhar a mamãe? Fiz, meu
amor, por você o que me foi possível, não deu tempo de ganhar a tão sonhada
guitarra né, mas vai tocar no céu meu amor, com todos os instrumentos e uma
orquestra de anjos para te acompanhar. A mamãe vai ficar bem, vou ser sempre
sua lindona, sua princesa, porque era assim que você me chamava. E você vai ser
por todos os dias da minha vida o meu amor, meu príncipe, meu bebê, meu ‘doce
de jiló’, meu coração.Te amo e olhe por mim aí de cima que um dia estarei
novamente com você nos meus braços”.
Na carta deixada por
ele, o homem fala que queria ver a ex sofrer. “Pelo pouco que a gente apurou
ali, tinha uma carta em cima da cama, meio que uma carta de despedida, ele
alegando que não estava feliz com o término do relacionamento. Então se
vislumbra que ele cometeu isso porque tinha a ver com o relacionamento dele”,
afirmou o tenente Renan ao Ric Mais.
Separado há seis
meses da mulher, Neri estava enfrentando depressão, de acordo com familiares.
Segundo a polícia, Neri já tinha ameaçado a ex. “Ele já sabia através de
pessoas que ela teria uma outra pessoa. E queria pegar os dois juntos. Mas ela
falou que o cara era forte, não tinha medo dele e estaria disposto a encará-lo
se fosse necessário”, disse. A carta tem cerca de 20 páginas e segundo o
policial Davi é mencionado apenas no final. “Nós dois trouxas (ele e o filho)
esperando por você e você só alegria, felicidade, prazer, tardes maravilhosas.
Espero que tenham sido boas porque jamais terá isso (novamente). Falei que ia
acabar desgraçando a vida de sua família”, afirma.